Selo 30 anos
Fone: (11) 3285-4422

Pergunte para o Dr

Receba resposta de suas dúvidas. Se preferir, deixe na mensagem seu telefone para um contato mais rápido.


Câncer ou tumor da Próstata

A próstata é uma glândula de aproximadamente 4 cm de largura, 3 cm de altura e 2 cm de espessura, que faz parte do sistema reprodutor masculino produzindo um liquido que junto da vesícula seminal formam o sêmen. Na próstata ocorre a transformação da testosterona em di-hidrotestosterona que é responsável pelo crescimento da glândula. Estudos comprovam que o aumento da próstata está relacionado com a idade, ocasionando obstrução das vias urinárias causando dor/ dificuldade ao urinar.

Incidência do Câncer da Próstata: 01 a cada 36 homens morrem de câncer de próstata (É a segunda maior causa de morte), sendo a primeira o câncer de pele.

Fatores Predisponentes: homens acima de 50 anos, álcool, fumo (aumenta em 60%) e obesidade, dieta rica em gorduras animais e pobre em verduras e legumes.

SINTOMAS:

Alterações urinárias como aumento da freqüência, nictúria (levantar várias vezes a noite), estrangúria (eliminação lenta e dolorosa de urina em consequência de espasmo uretral ou vesical) ou esforço para iniciar a micção, jato fino, presença de sangue.

Dores na região da bacia, em estágios avançados: perda de peso, febre, entre outros sintomas.

DIAGNÓSTICO:

Basicamente é o exame clínico (toque retal) + dosagem de PSA.

Biopsia da próstata é indicada quando há alterações nos exames, normalmente sob anestesia são retiradas várias amostras, que dependendo das alterações das células há um índice, como o de Gleason, que indica o grau ou extensão do tumor, linfografia e outros exames de imagens ósseas podem ser indicadas nos casos de suspeita de metástases ou tumores que avançaram para fora da próstata.

Imagem das diferenças da prostata normal e do cancer de próstata

TRATAMENTO:

Variam dependendo do tipo do tumor, extensão e metástases.

Radioterapias para tumores localizados ou Prostatectomia radical.

Hormonioterapia para tumores metastático, geralmente nos ossos, pulmão e fígado.

EFEITOS COLATERAIS

Incontinência urinária e disfunção erétil são os mais comuns.

Há tratamentos que visam compressão da uretra com esfíncter e preenchimento, trazendo o controle da micção.

Disfunção erétil, devido as lesões nos tecidos pós prostatectomia radical, sendo indicada o implante de prótese peniana para a recuperação da rigidez peniana.

PREVENÇÃO

Alimentação balanceada e fazer exercícios regularmente.

Fazer exames médicos a partir de 40 anos com Urologista.

Lembrando que os resultados são sempre melhores no início da doença , com índices maiores de cura, sobrevida e sem dúvida, a qualidade de vida.