Selo 30 anos
Fone: (11) 3285-4422

Pergunte para o Dr

Receba resposta de suas dúvidas. Se preferir, deixe na mensagem seu telefone para um contato mais rápido.


Disfunção Erétil / Impotência Sexual

Disfunção erétil é a incapacidade persistente de se obter ou manter ereção peniana adequada para atividade sexual satisfatória.

A ereção peniana envolve vários sistemas, isto é, nervos, vasos, hormônios, tecidos especiais, entre outros. Várias são as possibilidades orgânicas que geram a disfunção erétil.

A disfunção venoclusiva decorre do relaxamento parcial e inadequado do tecido cavernoso e a consequente compressão insuficiente do plexo vascular subalbugíneo levaria a uma diminuição da capacidade erétil.

Ilustração disfunção erétil

Podem ter como causa:

Lesões arteriais – a arterosclerose pode ocluir total ou parcialmente as artérias pudendas e a redução do fluxo sanguíneo nos corpos cavernosos, diminuindo a capacidade de ereção.

Lesões neurológicas – o pênis possui tríplice inervação e qualquer lesão dos nervos pode levar a disfunção erétil. Por exemplo, a neuropatia diabética, a esclerose múltipla, neuropatia alcoólica e traumatismos raquimedulares.

Alterações hormonais – os andrógenos, principalmente a testosterona, desempenham um papel importante na ereção e libido. Assim, o hipogonadismo primário ou secundário, pode influir negativamente na função erétil.

Medicamentos – vários medicamentos podem causar disfunção erétil, dentre eles os hipotensores, antagonistas H2 e ansiolíticos.

Alterações teciduais – a substituição das fibras elásticas por fibras colágenas no nível das trabéculas, vasos e musculatura lisa do tecido erétil pode produzir a disfunção erétil. Além disso, a túnica albugínea, como nas fraturas de pênis e Doença de Peyronie, podem também dificultar a ereção.

Tóxicos – principalmente o fumo e os efeitos colaterais de alguns medicamentos.

Atualmente, 20% dos homens apresentam algum tipo de disfunção sexual, alterações na libido (desejo sexual), ereção (dificuldade em conseguir ou manter a rigidez) e no controle da ejaculação (muito comum à ejaculação precoce). Como causas temos as de ordem orgânica e psicológica.

As orgânicas podem ser devido aos distúrbios hormonais, circulatórios, fibroses dos corpos cavernosos penianos, processos inflamatórios e outras causas sistêmicas como hipertensão arterial, diabetes, stress e outros distúrbios do metabolismo.

As de ordem psicológicas geralmente de ordem decorrente do stress, ansiedade, insegurança, autoconfiança e outros distúrbios de ordem emocional e de relacionamento com a companheira. Normalmente as causas são mistas, e a eficiência do resultado de qualquer tratamento depende da orientação médica adequada para cada caso.

Formas de tratamento

Para cada caso existe uma solução, desde uma simples orientação, uso de medicamentos de apoio para uma melhora na ereção ou controle da ejaculação e cirurgias corretivas para os casos de deficiências circulatórias e implantes de Próteses Penianas, que apenas são indicadas em casos em que os tratamentos clínicos não surtem efeitos.

O tratamento clínico com uso de medicamentos pode solucionar alguns casos orgânicos e também de ordem psicológica, por exemplo, trazendo a autoconfiança de volta com o uso de medicamento que garanta uma ereção satisfatória.

As próteses penianas são de silicone medicinal, indicados nos casos de falta de ereção peniana sem possibilidades de outros tratamentos, são utilizados desde antes do aparecimento do silicone nos anos 70, tendo sido utilizados próteses de osso anteriormente. As próteses atuais podem ser maleáveis ou infláveis (desde 1973), em que podem ser acionadas para se obter a rigidez, mantendo-a o tempo que se quiser até ser acionado novamente para desinflar com a perda da ereção, em muitos casos não sendo percebido pela companheira.

Se a qualidade de vida do homem depende da saúde física e mental, porque não manter o seu desempenho sexual?

Medicamentos - Apresentam-se em diferentes formas de administração, como comprimidos, cremes e injetáveis, mas devem ser indicados devido as possíveis contraindicações.

Desde que bem indicados, na dosagem adequada e observadas as contraindicações, os resultados são satisfatórios. Para melhorar a ereção peniana, medicamentos podem causar uma ereção plena que pode durar de minutos a horas, mesmo nos casos em que a perda da ereção é completa.

Somente o médico pode indicar o uso de qualquer medicamento, lembrando que o uso sem orientação adequada pode causar danos à saúde, 20% dos pacientes não respondem aos tratamentos medicamentosos e a falta de informação das próteses penianas impede ou retardam o tratamento que pode restabelecer a ereção peniana para recuperar a atividade sexual.

Tema: Disfunção Erétil e Reposição Hormonal